Cura de febre e dores no corpo

Em um sábado de manhã, no ano passado, acordei com febre e muita dor no corpo. Disse a minha mãe que não passava bem. Então, ela começou a orar e a me dizer que Deus estava ao meu lado. Ela também me disse que a dor e a doença são máscaras da mentira, pois não foram criadas por Deus. Eu só precisava tirar essas máscaras.
 
 Eu obedeci a mãe e fiquei pensando em como tirar aquelas máscaras. Eu me lembrei de que a Verdade, que é outro nome para Deus, estava bem pertinho de mim. Havia aprendido na Escola Dominical que a Verdade, é forte e que a mentira, a dor e a maldade não têm força nem se misturam à Verdade, que é infinita. Por isso, eu não poderia estar a sentir dores.
 
 Já havia aprendido também que sou um reflexo de Deus. Sendo assim, eu só posso refletir coisas boas, porque “Deus é infinito, todo poder, Vida, Verdade, Amor; está acima de tudo, e é tudo”, como oramos com o Pai Nosso que está em Ciência e Saúde. Como a dor não faz parte de Deus, é uma mentira e não pertence a mim.
 
 Depois do almoço, mamãe cantou alguns hinos e eu adormeci. Ela continuou a orar ao pé da cama e duas horas mais tarde, acordei e fui passear com ela no parque. Eu esqueci um pouco das dores que ainda sentia no corpo, mas não me senti bem, e então voltamos para casa.
 
 Quando chegamos, tentei fazer meus trabalhos de escola, mas não consegui. Adormeci novamente e minha mãe ficou mais uma vez a orar ao pé da cama. Minha mãe gosta muito de orar com os sinônimos de Deus, sabendo que todas as ideias da Mente, como criatividade e inteligência, pertencem a mim por reflexo e me completam. Por isso, eu tinha todas as ideias de que necessitava para me sentir bem e completar os deveres da escola.
 
 Quando acordei e vi minha mãe ali, juntinho de mim, perguntei a ela: “Mamãe, tu nunca me vais abandonar, certo”? Minha mãe e eu percebemos a mentira que estava a me causar aquele mal-estar. Eu estava a sentir medo, porque talvez minha mãe trabalhasse em outra cidade, e teríamos de nos mudar.
 
 Então, mamãe conversou comigo de forma muito calma e me disse que nunca me deixaria. Ela também me disse que o mais importante era que eu soubesse que Deus estaria sempre comigo, a me amar e a me proteger.
 
 No fim da conversa, eu estava bem, consegui fazer os trabalhos da escola e depois fui brincar. No dia seguinte, um domingo, estava a me sentir bem e fui para a Escola Dominical, onde aprendo, com muita alegria, sobre o cuidado e o amor de Deus por mim e todos os Seus filhos.